sexta-feira, 25 de maio de 2012

Museu da Audi, parte 1: DKW

Lembra do Murphy, aquele da lei? Pois vai muito bem obrigado, e anda aprontando como louco aqui na Alemanha.

Só isso pode explicar os contratempos que tive desde que cheguei aqui, da reserva inexistente no hotel de Munique até uma pane catastrófica em meu equipamento fotográfico. A qual, naturalmente, aconteceu bem na hora em que eu me empenhava em documentar a primeira atração desta série de reportagens.

O jeito foi comprar uma câmera nova e recomeçar tudo no dia seguinte. Só que com isso o tempo ficou curto, inviabilizando a segunda reportagem programada para a fase inicial desta série, ou seja, a visita ao Museu da BMW. É uma pena - mas pelo menos a viagem extra que precisei fazer a Ingolstadt terá sido util para trazer uma visão mais abrangente sobre o Museu da Audi, em cujo acervo se encontram automóveis especialmente interessantes para o entusiasta brasileiro.

Digo isso porque a Audi de hoje, que é o resultado de uma longa e tortuosa história, tem na DKW uma de suas principais antepassadas. Os modelos da marca presentes no museu de Ingolstadt ajudam a formar uma noção mais clara sobre a importância histórica dessa ilustre pioneira da indústria automobilística nacional.

Portanto, e dando início enfim a esta série de reportagens, vamos colocar em primeiro plano a marca DKW, deixando que as imagens abaixo contem um pouco de sua história.

DKW F5 (1931),  um dos primeiros automóveis de tração dianteira. 
DKW F5 Front Deluxe Cabriolet, grande sucesso na marca nos anos 1930.


O Auto Union W 25, esportivo de série limitada com motor projetado por Ferdinand Porsche.



Até a década de 1930, a DKW também se destacava como fabricante de motos.

No DKW de 1950, motor de 2 cilindros e sinalizadores do tipo "bananinha".


Em 1960, o vigia aumentou de tamanho. Exatamente como no Fusca.

No Auto Union 1000S de 1963, o vigia cresceu um pouco mais...


O parabrisas também cresceu e passou a ser envolvente.

Mudança radical de estilo no DKW Junior de 1960, muito inspirado nos americanos da época.


Influência americana também no Auto Union 1000 SP, claramente inspirado na primeira geração do Ford Thunderbird.


Imagens: arquivo pessoal do autor. Reprodução permitida mediante atribuição a este blog

9 comentários:

Guilherme da Costa Gomes disse...

Lindas as fotos, Paulo!
no aguardo de mais novidades.

Abraço, bom passeio.

Francisco J.Pellegrino disse...

Muito bom, traga o DKW laranja com teto branco.....heheheheh

Belair disse...

O Murphy e' aquele que nos fornece MAIS historias para contar.
A julgar pelas fotos,a camera nova e' boa...
Ta',ta',o fotografo tambem,kkkkkk.

F250GTO disse...

Lindas fotos, de belos DKWs.
Pra mim o Sonderklasse 1960 (sem o prabrisas panoramico) e o 1.000 SP, são os mais bonitos.
Sonhos de consumo.
Romeu.

Luís Augusto disse...

Engraçado, Paulo, o Murphy também me pregou uma peça em Lindóia neste ano e quase todas as minhas fotos se perderam. Muito interessantes os DKWs do pré-guerra, parecem miniaturas dos suntuosos Horch (relação parecida com a dos Chevys e Cadillacs), dando identidade ao grupo. Na foto acima da moto creio que é um Wanderer, com sua típica grade em forma de escudo, não um DKW "mini-Horch". Quando estive aí na Baviera, também tive que optar pelo museu da Audi ou BMW e acabei indo no da BMW; se puder forçar um pouquinho, vale a visita!

Ron Groo disse...

Muito bacana!
O DKW Jr tem um ar de assustado...
Mas é bonito.

Anônimo disse...

demorô mas... cadê, ocê ? E segurando um volante... Nesse museu deve ter vários, acredito. Volta lá e pede um emprestado. E strike a pose !


M.C.

Paulo Levi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Levi disse...

Caros,
Agradeço a todos pelos comentários, e especialmente ao amigo Luís Augusto por ter notado e corrigido o meu erro na identificação do belo esportivo branco com paralamas pretos. De fato, não se trata de um Auto Union, mas sim de um Wanderer.

Abraços,
Paulo