sexta-feira, 27 de abril de 2012

Just drive it

No domingo passado, milhares de motoristas britânicos participaram do National Drive it Day - um dos mais interessantes e originais eventos para automóveis antigos em todo o mundo. Agora em sua sétima edição, o Drive it Day acontece anualmente no domingo mais próximo ao dia 23 de abril, data em que se comemora a primeira prova automobilistica de longa distância no Reino Unido, realizada nos idos de 1900.

É uma idéia genial em sua simplicidade: nesse dia, qualquer pessoa que tenha um automóvel antigo deve tirá-lo da garagem. Pode usá-lo para ir à igreja, ao supermercado, à casa de amigos, tanto faz  - o objetivo é juntar o maior número possível desses veículos nas ruas e estradas do país, das ilhas Orkney ao Canal da Mancha, dando visibilidade ao movimento pela sua preservação e permitindo que o  público assista a um belo espetáculo sem pagar nada por isso.


Os clubes de automóveis antigos também participam maciçamente - são mais de 500 em todo o país - e cada um monta a sua própria agenda de atividades paralelas ao evento. Entre estas se incluem visitas a autódromos, museus e marcos históricos da região. Em muitos casos, os clubes incorporam uma dimensão de responsabilidade social ao evento, arrecadando recursos junto aos seus associados em prol de entidades assistenciais das suas respectivas comunidades.



Várias empresas já descobriram que têm muito a ganhar apoiando o Drive it Day. Uma destas é a seguradora Hagerty International, que neste ano organizou um roteiro passando pelos circuitos de Silverstone e Donington Park, além de outros pontos de interesse. Também em casos como esse, as doações para entidades assistenciais são parte integrante da proposta.

A idéia do Drive it Day partiu do historiador e jornalista especializado Tony Beadle (falecido em janeiro deste ano), e foi entusiasticamente abraçada pela FBHVC, entidade que congrega os clubes de automóveis antigos do Reino Unido. Por qualquer critério de avaliação, é um sucesso. Este ano, apesar do tempo inclemente até mesmo para os padrões britânicos, o número de participantes foi récorde.

     (Imagem: Classic and Sports Car)

Fica aqui uma sugestão para a Federação Brasileira de Veículos Antigos: que tal promover um evento como esse aqui no Brasil? É difícil imaginar alguma ação que possa fazer mais pela imagem dos automóveis antigos e de seus proprietários do que essa. E se alguém achar que é feio copiar a idéia dos outros, é bom saber que não seremos os primeiros a fazê-lo: também no domingo passado, os alemães tiveram seu primeiro Drive it Day (com esse nome mesmo), na cidade de Colônia.

É ótimo que eventos como Araxá e Águas de Lindóia façam parte de nosso calendário automotivo, mas um Drive it Day em terras tupiniquins também seria muito bem-vindo. Se existe data comemorativa para tudo, inclusive um dia mundial sem carro, por que não? Com a palavra, os antigomobilistas brasileiros e a FBVA.

Imagens: http://fbhvc.co.uk (exceto onde indicado)

7 comentários:

Belair disse...

Ideia fantastica,PL !
Apoio entusiasticamente,ate' porque preciso criar vergonha na cara e sair mais com meu veinho,que esta' ha' meses inerte na garagem.

Anônimo disse...

... e M.C., escreve: realmente, uma boa idéia. Aqui, se tivesse algo parecido e, se tivesse um "clássico", seria o último fusca, cor prata ! Ano 1996( Fusca Itamar... Itapior...). Pensei em comprar um mas a idéia foi indo prum canto esquecido da mente e aí, agora, lendo o que escreveu, lembrei dele...

Joel Gayeski disse...

òtima ideia, e tinha mesmo que vir da "ilha dos autoentusiastas".
Gostei muito da foto onde aparece o Escort RS e o Granada.

Francisco J.Pellegrino disse...

Muito boa a idéia...aqui na minha cidade os proprietários de carros antigos "escondem" as raridades e não gostam de aparecer...acho que é problema com o Leão...

Ron Groo disse...

Mas será que os clássicos aguentariam andar no monte de buracos das vias daqui?

Luís Augusto disse...

A idéia só funciona mesmo na Europa, se alguém estacionar um antigo por aqui enquanto vai às compras, corre sério risco de ficar sem ele.

Paulo Levi disse...

Eu não teria o menor problema em por o meu Chevette de estimação na rua, até porque de vez em quando vou com ele ao supermercado. Claro que eu não deixaria ele estacionado em qualquer lugar, mas só onde as condições de segurança são comprovadamente boas como nesse caso. Por outro lado, convém lembrar qu mesmo em capitais européias supostamente "civilizadas", como Londres e Paris, existem bairros por onde nenhum dono de carro antigo se aventuraria. É tudo uma questão de conhecimento e bom senso.

Quanto aos buracos, a fórmula é mais ou menos a mesma. Ou seja, trafegar somente por caminhos conhecidos e que ofereçam um mínimo de condições de uso.