terça-feira, 1 de novembro de 2011

Oito apelidos para a posteridade (Parte 1)

Onde há esporte há apelidos. No automobilismo, são basicamente dois os tipos de apelidos: os fortes e os fracos.

"Escocês voador", por exemplo, é um apelido fraco. Quando foi criado, referia-se a Jim Clark - mas após a morte deste passou a ser aplicado a Jackie Stewart e a outros pilotos provenientes da Escócia. Hoje, os escoceses voadores da vez são Dario Franchitti, quatro vezes campeão na Fórmula Indy, e seu primo Paul Di Resta, estreante na Fórmula 1 deste ano.

E é aí que está o xis da questão: um apelido como esse é genérico, e portanto não tem dono. Isso vale não só para todos os escoceses voadores que vieram depois de Clark, como também para os voadores de outras nacionalidades (holandeses, finlandeses etc.). Não há perenidade, não há ligação intrínseca entre apelido e apelidado. Da mesma forma, palavras como "mago", "mestre" e "professor" - para não falar em rótulos como "rei do circuito X (ou da pista Y)" - invariavelmente resultam em apelidos fracos.

Já o apelido forte é aquele que se confunde com a identidade do portador, a tal ponto que este dificilmente seria reconhecido pelo seu nome de batismo. É algo pessoal e intransferível, que reflete a época e o contexto cultural em que foi criado, e que em certos casos faz até pensar em predestinação. Sempre há histórias interessantes por trás de um apelido desses. E foi por este motivo que decidimos compilar uma seleção dos melhores do gênero, aqui apresentada numa série em três partes que tem início com o post de hoje.


LOFTY ENGLAND (Frank Raymond Wilton England)


Lofty, em inglês, quer dizer alto ou elevado. Normalmente, o uso desse adjetivo se restringe a conceitos abstratos, como os sentimentos e os ideais. Mas os ingleses, com seu peculiar senso de humor, também o utilizam como apelido para pessoas de estatura elevada.

Lofty England foi diretor esportivo da Jaguar entre 1951 e 1957, período em que a marca inglesa acumulou nada menos de cinco vitórias nas 24 Horas de Le Mans. Brilhante como estrategista e meticuloso na execução, Lofty era do tipo que não brinca em serviço. Nem precisava ter 1,95 m de altura para fazer valer a sua autoridade.

Depois do fechamento do setor de competições da Jaguar, Lofty England foi convocado a assumir funções executivas na empresa, da qual se tornaria presidente em 1972. Para um homem que representou o automobilismo britânico nos mais altos escalões, tanto do esporte como da indústria, não poderia haver apelido mais apropriado.


SOAPY SUTTON (Roland Manners Verney Sutton)


Soapy significa ensaboado, o que poderia denotar alguma ironia em relação à aparência pouco asseada desse piloto de testes da Jaguar, sempre suado e sujo de graxa. Em 1949, ao volante do recém-lançado XK120, Soapy Sutton bateu o récorde mundial de velocidade para carros de produção em série, com a marca de 213 Km/h. Apesar do feito, perdeu o lugar para seu subordinado Norman Dewis, que muitos anos depois revelaria a origem desse apelido: é que não raro, Soapy aparecia para trabalhar com resíduos de sabão de barbear no rosto.   


BUBBLES HORSLEY (Anthony Horsley)


Bubbles Horsley, amigo do peito de James Hunt desde os tempos em que ambos corriam na Fórmula 3 britânica, era o diretor esportivo do Team Hesketh em 1975, ano em que essa equipe obteve sua primeira e única vitória na Fórmula 1. Graças à mão aberta do auto-intitulado Le Patron, Lord Alexander Hesketh, os membros da equipe chegavam aos circuitos a bordo de Rolls-Royces, viajavam de Concorde, e tinham à disposicão um suprimento inesgotável de champagne Dom Perignon. Num ambiente festivo e hedonista como esse, não poderia haver nome mais perfeito do que Bubbles Horsley, que evoca em igual medida as borbulhas (bubbles) do espumante francês e o gosto dos ingleses de classe alta pelos cavalos de raça.

(CONTINUA NO PRÓXIMO POST)

Imagens: http://www.youtube.com/watch?NR=1&v=fnUpQ79KZxY (freeze frame Lofty England); http://ericdymock.blogspot.com/2011/01/jaguars-other-test-driver.html (Soapy Sutton no Jaguar XK120); http://www.f1-legend.fr/histoire/equipes/equi_hesketh.shtml (Bubbles Horsley, ladeado por James Hunt e Harvey Postlethwaite)

8 comentários:

Mauricio Morais disse...

Que cultura Paulo, uma delícia de texto, espero pelos outros apelidos.

Anônimo disse...

Hope it will not be only Blighty nicks.

Ron Groo disse...

Soapy Sutton me pareceu mais maldade que outra coisa hehehehe

Paulo Levi disse...

Obrigado, Maurício. Essa série deu trabalho - e continua dando - mas está divertida de fazer.

Paulo Levi disse...

Anonymous,
Thanks for stopping by. And don't worry, the Yanks are next in line!

Paulo Levi disse...

É bem capaz, Groo - mas como geralmente é perda de tempo lutar contra um apelido, Mr.Sutton fez a coisa certa adotando o "Soapy".

Joel Gayeski disse...

Gosto desse tema, apelidos sempre tem boas histórias.

Paulo Levi disse...

Joel, espero que você goste do próximo post dessa série, que já está no ar.