sexta-feira, 8 de julho de 2011

Froilán González, talento tamanho GG

Nota do blogueiro: por ocasião dos sessenta anos da primeira vitória da Ferrari na Fórmula 1, no mesmo circuito de Silverstone onde neste domingo se disputa o Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 2011, o Adverdriving saúda Froilán González, piloto responsável pelo feito histórico e lenda viva do automobilismo argentino e mundial, reeditando o post publicado em sua homenagem em maio do ano passado.



O piloto de compleição robusta e olhar confiante aí da foto é uma das figuras mais significativas da história da Fórmula 1: foi ele que deu à Ferrari sua primeira vitória em uma prova da categoria, há quase 60 anos.

Nascido em Arrecifes, na província de Buenos Aires, José Froilán González já era um piloto consagrado na Argentina quando foi tentar a sorte na Europa, no final dos anos 40. Tal como Juan Manuel Fangio e Onofre Marimón, seus amigos e companheiros de aventura, viajava com uma espécie de "bolsa automobilismo" concedida pelo Automóvel Clube Argentino, com o apoio direto do governo do General Juan Domingo Perón.

Apesar do porte avantajado, Froilán era um atleta de respeito - e sua performance nas pistas era a maior prova disso. Naqueles tempos em que os monopostos da Fórmula 1 não tinham sequer metade da potência dos atuais, Froilán compensava no braço o handicap de peso. Também sabia usar a cabeça: foi um dos primeiros a se valerem da estratégia de largar com menos combustível para ganhar uma vantagem decisiva logo no início das provas. Mais que do tamanho de seu capacete ou de sua relutância em entregar a rapadura, talvez viesse dessa sua argúcia o apelido de cabezón, como era tratado por seus conterrâneos.



Gonzáles só venceu na F1 duas vezes, mas escolheu essas vitórias a dedo. Ambas ocorreram em um mesmo país, a Inglaterra, e em uma mesma pista, Silverstone. Foi ali, em 1951, que Froilán ganhou seu primeiro grande prêmio (e o primeiro da Ferrari), ao cabo de um épico duelo com Fangio e seu Alfa Romeo. Em 1954, repetiu a dose de maneira totalmente inesperada, já que a Mercedes era de longe a equipe favorita naquele ano. E o fez em grande estilo, despachando o resto do pelotão logo na largada e liderando a prova até a bandeirada final. Virou ídolo dos ingleses, de quem recebeu o apelido de the pampas bull - o touro dos pampas.

Mas as vitórias de Froilán não se limitaram à F1: o argentino também ganhou várias provas do campeonato mundial de marcas, incluindo a 24 Horas de Le Mans de 1954, também pela Ferrari.


Naquele mesmo ano, um acontecimento traumático - a morte do amigo Marimón no treino para o GP da Alemanha - o deixou muito abalado. Atendendo aos apelos da família, voltou à Argentina, onde ainda participou de competições até 1960.

Hoje com 87 anos, Froilán Gonzáles é o mais idoso dos vencedores da F1 ainda vivos. Reside em Buenos Aires, trabalha diariamente na sua concessionária Fiat no bairro de San Nicolás e ocasionalmente participa de eventos como embaixador da marca italiana, que reconhece nele um dos heróis da história da Ferrari. Acompanha o automobilismo da atualidade e tem uma memória prodigiosa sobre o tempo em que correu na F1. Mesmo faltando um ano para o aniversário de 60 anos daquela histórica primeira vitória em Silverstone, o eterno pampas bull (ou Don Pepe, forma pela qual é tratado hoje) merece todas as comemorações desde já.


Imagens: Anuário Ferrari 1966 (fotos históricas); www.lanacion.com.ar (Froilán González em seu escritório). 

3 comentários:

Francisco J.Pellegrino disse...

Sr. Froilan é uma simpatia...e um "sobrevivente" que pilotou aquele monte de cadeiras elétricas...vida longa ao excelente piloto.

Joel Gayeski disse...

O cara à época era GRANDE.
E sem dúvida é um grande homem.

Paulo Levi disse...

Francisco e Joel,

Pelo que vimos no domingo passado em Silverstone,a comemoração dos sessenta anos da vitória inaugural naquela mesma pista trouxe sorte para a Ferrari!

Detalhe curioso: nas duas ocasiões (1951 e 2011), o vencedor foi um piloto de lingua espanhola.

No creo en brujas - pero que las hay, las hay.